Página Inicial » Resultados de Pesquisas do Facual

Buscar

| Ano da safra: 2004/05 | Categoria: Mercado

Cenário de competitividade e sustentabilidade na produção de algodão e soja em Mato Grosso, para a safra 2004/05

A informação sobre o custo de produção de uma cultura é uma das mais importantes para qualquer atividade produtiva, sendo fundamental para a tomada de decisão dos agricultores. No setor rural, a discussão sobre custo de produção é bastante relevante, uma vez que pode ter diferentes finalidades, segundo os diversos agentes econômicos envolvidos em sua estimativa. Em geral, o objetivo de cálculo do custo pode servir de base, por exemplo, para subsidiar uma decisão gerencial de curto prazo, propostas ou implementação de políticas agrícolas, para medir a sustentabilidade de um empreendimento agrícola no longo prazo, para medir a capacidade de pagamento de uma lavoura e a viabilidade econômica de uma tecnologia alternativa, entre outras. Nos últimos anos, tem-se observado um acréscimo expressivo na produção de algodão e da soja no Brasil. Um dos primeiros efeitos desse aumento ocorre nos preços da fibra e do grão. Ao mesmo tempo, o que se observou foram as freqüentes altas nos preços dos insumos de produção. Enquanto variações de preços de mercado estão fora do controle do produtor, este pode melhorar sua perspectiva de rentabilidade da cultura através de melhor controle dos custos de produção. Desta forma, para manter a rentabilidade, os produtores precisam investir em novas tecnologias e em tratamentos que proporcionem menores custos de produção.

O objetivo deste projeto de pesquisa foi analisar a competitividade da produção de algodão e soja no Estado do Mato Grosso, enfocando no custo de produção agrícola na propriedade e no porto (valores FOB), quando possível. Também foi computado o custo da produção de semente comercial de soja. O intuito também foi apontar os principais fatores que contribuem para diferenciação de custos entre essas culturas, destacando os mais e os menos eficientes entre as regiões produtoras. As regiões a serem analisadas são: Rondonópolis (algodão e soja grão e para semente), Lucas do Rio Verde (algodão), Sorriso (soja) e Campo Novo do Parecis (algodão e soja). Os dados são referentes à safra 2004/05.

| Ano da safra: 2001/02 | Categoria: Melhoramento genético

Avaliação de cultivares e linhagens avançadas de algodoeiro para resistência a doenças

Vide relatório em anexo

| Ano da safra: 2002/03 | Categoria: Fitopatologia

Distribuição, transmissibilidade e controle de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum em algodoeiro no estado do Mato Grosso.

A murcha de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum vem sendo considerada como a principal doença do algodoeiro nas principais áreas de produção nacional. No estado de Mato Grosso a doença foi relatada pela primeira vez, na safra 2002/2003. O fungo pode ser transmitido e/ou transportado pelas sementes aumentando o risco de contaminação em áreas ainda isentas. Dessa forma, este trabalho foi conduzido com os objetivos de conhecer a distribuição geográfica de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum em áreas de produção de sementes de algodoeiro no estado do Mato Grosso nas regiões Norte, Médio Norte, Sul e Centro Sul, por meio da coleta de amostra de solo e raízes em áreas com suspeita de infecção e posterior análise em laboratório, conhecer a transmissibilidade de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum no processo semente-planta após a inoculação do fungo nas sementes com avaliação de sintomas aos 30 e 60 dias, avaliar o controle de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum por meio do tratamento de sementes com fungicidas isolados e em misturas, avaliar o nível de susceptibilidade das variedades recomendadas para o cultivo no estado do Mato Grosso em ambiente controlado após a inoculação de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum em plantas de algodoeiro mantidas em vasos de 5L e relacionar a associação de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum com os nematóides Meloidogyne incognita, Rotylenchulus reniformis e Pratylenchus brachyurus nas amostras positivas para Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum coletadas em campos de produção de sementes. Após as avaliações foi possível detectar a presença de focos de infecção da murcha de Fusarium nos municípios de Jaciara, Pedra Preta, Alto Garças, Campo Verde, Primavera do Leste e Novo São Joaquim. Foi detectada transmissibilidade alta de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum em sementes de todas as variedades avaliadas, assim como a reação de alta susceptibilidade ao patógeno foi verificada em todos os materiais testados com exceção do padrão IAC 22 e as variedades Sure Grow e BRS Cedro. Para o tratamento de sementes dos fungicidas Derosal + Euparen + Monceren (200 + 150 + 300 g ou mL/100 kg de sementes), Cercobin (150 mL/100 kg de sementes), Derosal Plus (300 mL/100 kg de sementes) e Tegran (200 mL/100 kg de sementes) foram eficientes no controle de Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum. Somente o nematóide das lesões radiculares Pratylenchus brachyurus foi detectado em todas as amostras positivas para Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum.

| Ano da safra: 2002/03 | Categoria: Fitopatologia

Distribuição, dinâmica populacional e danos provocados por Meloidogyne incognita, Rotylenchulus reniformis e Pratylenchus brachyurus na cultura do algodoeiro no estado do Mato Grosso.

Estudou-se a flutuação populacional dos nematóides em quatro propriedades localizadas em três regiões do estado do Mato Grosso e nestes locais foi possível acompanhar o efeito de diferentes seqüências de culturas nas áreas infestadas naturalmente, com base no número de nematóides ocorrente em 59 parcelas, com diferentes culturas e coberturas. As identificações dos nematóides coletados, montagem de lâminas, atividades iniciadas no primeiro ano, tiveram continuidade, além disso, obteve-se isolados de Meloidogyne incognita, Rotylenchulus reniformis e Pratylenchus brachyurus, cujas quantidades são, no momento, suficientes para os testes de susceptibilidade dos cultivares e agressividade dos isolados, os quais serão utilizados nos próximos experimentos (3º ano). No teste de raça efetuado para dois isolados de Meloidogyne incognita, foi possível constatar que os mesmos pertenciam à raça três. A correlação entre população do nematóide e produção não apresentou significância para Pratylenchus brachyurus e o acompanhamento da dinâmica sugere que esse resultado seja devido às práticas de manejo do solo, estabelecidas para a cultura do algodoeiro no pós-colheita, que impedem as populações do nematóide de chegarem em níveis de danos econômicos.

| Ano da safra: 2001/02 | Categoria: Fitopatologia

Distribuição, dinâmica populacional e danos provocados por Meloidogyne incognita, Rotylenchulus reniformis e Pratylenchus brachyurus na cultura do algodoeiro no estado do Mato Grosso.

Um levantamento foi conduzido em três das principais regiões de cotoniculturado estado do Mato Grosso, com o objetivo de obter informações sobre a ocorrência de Meloidogyne incognita, Rotylenchulus reniformis e Pratylenchus brachyurus, na cultura do algodão. As amostragens foram feitas entre os meses de fevereiro a maio de 2002, com a coleta de solo e raízes de algodão. No total foram 623 amostras compostas, representativas de 21.793 hectares com algodão, em 18 propriedades. Os nematóides foram extraídos por peneiramento e centrifugação, identificados, quantificados e aqueles de importância para a cultura, foram identificados até espécies. As três espécies de nematóides importantes para o algodoeiro foram encontradas no Estado. Pratylenhus brachyurus ocorreu em 94% das amostras, com média populacional de 192 indivíduos/g de raiz e 65/200 ml de solo. Meloidogyne incognita foi identificado em 5,3% das amostras, com média populacional de 27juvenis/g de raiz e 148/200 ml de solo. Rotylenchulus reniformis foi encontrado em 2% das amostras, com média de 120 juvenis e adultos vermiformes/200 ml de solo. O material biológico (nematóides) está sendo mantido em plantas no telado de sombrite para futuros testes de agressividade dos isolados, níveis de danos, resistência dos cultivares.

Copyright © IMA - Instituto Mato-Grossense do Algodão.
Rua Eng Edgard Prado Arze, 1777 Ed. Cloves Vettorato - 2 andar Quadra 03
Setor A - Centro Político Administrativo
CEP: 78049-015
(65) 3321-6455/6482